1 fim de semana. 1 monte de presentes!

Na verdade, eu nem sei como começar esse post! De verdade! Tá tudo um turbilhão na minha cabeça, de frases, de sensações, de tudo.

A história dele começa quando eu descobri, um pouco depois do acidente, que existia handbike. Um monte de gente me prometeu ajudar a conseguir uma, mas nada acontecia de verdade, porque uma hand não surge das profundezas do oceano do nada. Até que teve um momento que eu pensei “tá, a handbike é só um sonho. Deixa ele aí quieto um pouco.”  E o tempo passou!

No fim de abril, como vocês devem ter lido aqui no blog, eu fiz a Meia 10415683_806298232714198_8641449677357327547_nMaratona da Corpore, com uma adaptação de hand emprestada de um amigo. Aí tudo começou de novo! Uma amiga minha, a Fer Balster, me chamou inbox perguntando se eu aceitaria uma handbike de presente, pois ela e mais algumas pessoas estavam se juntando pra me dar uma. A primeira reação? Chorei! A segunda coisa que fiz? Agradecer! E a terceira (depois de rir e chorar umas oitenta vezes)? Escolher a cor. Quem me conhece, sabe
que nem tem escolha: azul, da cor do céu, do mar, do meu edredom, da minha cadeira de rodas…

1920156_806429419367746_4412539326127279055_nA espera seria de 40 dias, até a hand ser entregue. Meus amigos escolheram uma corrida em SP, pra estar todo mundo junto e me dar. Nesse tempo, eu guardei o máximo de segredo possível. Contei pra minha mãe (mãe é mãe). Faltando uns 10 dias, eu contei pros meus treinadores da assessoria de corrida. Semana passada eu contei pras minhas comadres. Contamos pra mais um amigão super atleta, que tem um pick up, e ele disse “vou te levar nas corridas aqui de Ribeirão”. Na última semana, eu já tinha contado pra alguns amigos próximos, que perguntavam o que ia fazer no final de semana. Eu não aguentava e falava. Já tava me dando comichão esse trem não chegar nunca!

1486707_796188687058314_927124667943925457_nMas, pro meu desespero, na semana da corrida, o tempo fechou, esfriou, e a previsão pra São Paulo era de chuva e frio. Juro, gente, que eu pensei em não vir (saí da corrida, enchi a pança de mil comidas e to aqui escrevendo). Todo mundo sabe que eu morro de dor no frio, que eu não esquento de jeito nenhum (to morrendo de dor agora) e eu não queria sofrer. Resolvi vir, mesmo, de verdade, na sexta-feira. Na mala gigante, só roupa de frio. E eu fui linda pra corrida! Uma calça peruana super grossa por baixo da legging preta, duas meias grossas (que não resolveram nada), uma blusa fina (a preta de sempre, que eu uso por cima das blusas de corrida pra treinar) e 3, sim três casacos. Eu engordei uns 10 kg nas fotos. Mas o importante era ficar quente. Ah, usei luvas! Bem eu, que sou super paquitona, parecia um trembolho, porém um trembolho quente!

Acordei e nem queria sair da cama. 5h30 da manhã tava frio e nublado. O Paulo me pegou 6h30, pra largada 7h15, pra eu passar o mínimo de frio possível la parada no Ibira, e correr o menor risco de sentir dor. Tomei 300 remédios da dor antes da prova, pra prevenir. Tinha tanta roupa que os braços mal mexiam.

Chegamos no ibira e…kd as hands? O moço que ia trazer, o Dinho da Handventus (nosso Mago design das handbikes), se perdeu no meio daquelas ruas fechadas pra prova (nós também nos perdemos). 10 minutos antes da largada começou a chover! Eu só pensava “jura mesmo que eu viajei tudo isso, acordei cedo e to congelada pra ficar debaixo da marquise?” . Aí, a Fer chegou do meu lado e perguntou “quer deixar pra la?” Eu só respondi pra ela o que eu tinha acabado de pensar. A Fer saiu correndo pra ajudar o Dinho a montar as hands.

Deram a largada, Paulo e eu sem as hands, Pedro sem o triciclo. Eita nóis. Se não corrêssemos, não poderíamos mais correr (com o perdão da brincadeira). Íamos voar pro tapete, quando a Fer surgiu com a minha hand. Força tarefa pra eu subir no meu cavalo alado e voar pro pórtico de largada. Força tarefa pra me descer da calçada, os moços do tapete desesperados pra gente passar. O Paulo viria atrás com a hand dele (mas não o vi mais, porque o pneu dele furou com os poucos buracos do percurso..sem comentários).

Partimos! A emoção era tanta, meu coração vibrava mais que bateria de escola de samba no desfile das campeãs. Eu não sabia se ria ou chorava enquanto pedalava. Mas eu mal sabia mexer nas marchas. Como diriam: “qué dizê”, eu não sabia mexer nas marchas! A hand tava pesada demais na reta e eu achei estranho. E como eu tenho excesso de coordenação motora, eu descobri como deixá-la mais pesada. Mais leve, nada. Fiz 2km assim, meio que na empolgação, no desespero, com o Erivaldo (do Klabhia) me ajudando na subidinha, enquanto eu estava bem perdida ali.

Finalmente, por um milagre, eu descobri como diminuir a marcha. Calma gente, não demorei porque sou Kinder Ovo! Demorei porque as marchas e o freio foram colocados do meu lado esquerdo, o meu lado bobo. A minha mão é bem mais fraca ali. Então, eu tinha que ficar tentando mudar com a mão direita, enquanto eu olhava pros buracos, enquanto eu tentava não atropelar outros corredores, enquanto eu pedalava, enquanto eu conversava com o Erivaldo, enquanto eu sorria e agradecia as pessoas que me gritavam pra dar força no percurso. Mas deu certo.

Pra não ficar chato, narrando km por km, eu vou tentar resumir o luxo radioso de sensações, como diria Arnaldo Antunes declamando Eça de Queiroz em “Amor I love you”.

Eu estava muito emocionada mesmo. E a cada km eu encontrava mais e mais gente que eu gosto. A Fer me achou no meio da corrida, junto com o Dinho, que tentaram arrumar meu corpinho na hand. Mas tem tanto ajuste pra ser feito nela (porque eu sou meia porção, mas o Dinho não sabia que ainda vinha faltando pedaço) que eu achei melhor ficar como estava. As pessoas que eu conheço gritavam pra me dar força.

10363359_713721328666483_7235866843267025671_nNas subidas, o Erivaldo me ajudava muito! Nas descidas, vou te falar! Meus dedos tremiam tanto, porque eu não tenho força na mão esquerda e o freio estava muito duro (freio novo deve ser igual tênis novo. Precisa de uns km pra amaciar). Sabe o ditado “nóis capota mais num breca”. Se eu não brecasse eu atropelaria alguém, além de capotar. Então eu apertava o freio com toda a força. Na subida e na reta eu só tinha dois pensamentos: 1 – eu sou retardada? Por que eu exagerei tanto nos treinos de musculação essa semana? Que dor no bíceps. Que dor no trapézio. O que eu tinha na cabeça, @$!@#!, %@#$?? (sim, eu usei palavrões comigo mesma). Pensamento  2 – eu sou retardada? eu sou uma franga fracota! O que eu tenho na cabeça de vir pedalar 10km com tanta subida? Meu Deus, eu tenho que treinar muito! Eu tenho que mudar meu treino todo! @$@#@$@, !$!$!#@#%@.Vai franga!…..  É, foi isso. Eu sou uma pessoa bem tranquila comigo mesma.

Nas curvas, capítulo a parte! O Erivaldo gritava “abre bem”. Mas teve uma curva que tinha espaço pra eu abrir, mas não tinha espaço pra eu virar a hand e voltar. Resultado? Ultrapassei a barreira de cones e brequei bruscamente (e já não sobrou dedo depois disso) em cima dos carros que estavam no trânsito da avenida. Fui salva pelo Erivaldo, que deu ré puxando a hand e me ajudando a virar.

Tinha km que eu ria, tinha km q eu chorava, mas não podia exagerar, porque nem tinha como secar as lágrimas. Mil coisas foram passando na minha cabeça, como um filme, enquanto eu corria (de novo! Isso aconteceu na Meia da Corpore em abril). Mas agora tinha a ver com todas as pessoas maravilhosas que estavam me ajudando, como elas entraram na vida, como elas entraram no meu coração, como cada uma estava presente no meu dia a dia e como elas foram incríveis em fazer isso por mim. Poderiam ter escolhido qualquer outra pessoa. E eu tinha que fazer jus a tudo isso, em retribuição.

Muitas pessoa1904185_232621930280651_7020497081938878933_ns desconhecidas também me ajudaram. Em uma subida tipo Everest, um senhor ajudou o Erivaldo a me dar impulsos sem fim. Quando eu desci esse pico do Everest (e deixei o Erivaldo pra trás, por falta de dedos pra frear mais), encontrei o senhor de novo, que me ofereceu água, me ajudou quando eu parei a hand no meio da subida pra trocar a marcha (parei porque meus bíceps lindos não estavam cooperativos e a mão direita ocupada com a marcha). Muitas pessoas gritavam e batiam palmas no percurso. E eu tenho que agradecer a todas elas! Muitos senhorzinhos estavam correndo e vê-los ali dá muita energia pra nós.

10376917_632246220200307_3520038049093320128_nTenho muito a agradecer ao Erivaldo, que no final, ia abrindo caminho (sim, o homem corre! parece um guepardo) pra que eu pudesse passar sem atropelar ninguém. Passar pela Bia e a turma da Klabhia também dá uma força incrível e uma alegria muito grande!!!

A Fer me achou de novo no finalzinho e me deu muito gás e felicidade ver a minha amiga linda ali e saber que por causa dela e do Itimura (dois anjos sem asas), eu estaria ali, pertinho do meu sonho de correr com os pés de novo, mas correndo como eu posso agora.

 

10375894_806597836017571_4505866901819270242_n

E eu passei a linha de chegada! Mais uma! Uma das mais emocionantes! Numa corrida que tinha tudo pra dar errado e deu tudo certo, porque eu corri com e graças a pessoas maravilhosas e especiais. Tirei as luvas. Os dedos da mão esquerda tremiam sem parar e doíam muito. Mas o sorriso não saía do rosto.

10410852_713812348657381_900692096049689942_n

10403592_795875303756327_6987827692609407767_nE no final, encontrei mais amigos, foi foto pra lá e foto pra cá! A moça dos torrones (lembram que eu amo torrones?) veio com a sacola cheia pra mim e como gulosa que sou, ganhei vários. O tio da água, uma gracinha de senhor, veio dar parabéns, trouxe água, foi com a Fer buscar as medalhas. Ganhei um monte de abraços das pessoas que eu gosto. Um monte de amigos quis fazer um test drive na hand!

1426449_713733555331927_2121712490788000882_n

Ah, querem saber meus outros presentes além da handbike? A Fer me deu um capacete lindo (o que eu usei hoje).O outro? Lembram da foto que postei no Insta, falando que eu não conseguia usar o kettlebel da academia porque tinha 8kg? Então, o Paulo Cesar, junto com amigos dele (que eu não conheço) me deram um kettlebel de 6kg! Lindo! Vou postar a foto no Insta!! Paulo e meninos, muito obrigada!!

Mas os maiores presentes que eu poderia querer são meus amigos. Desde meu acidente, eu fortaleci amizades e ganhei tantos amigos, mais do que muita gente poderia querer. E através deles, só coisa boa aconteceu na minha vida! Coisas materiais que eu e minha família nunca conseguiríamos prover. E coisas que o dinheiro não pode comprar, muitas coisas! Muitas delas que eu recebi aos montes hoje. E só posso dizer OBRIGADA!

10351463_713721491999800_6250228968599156731_n

 

 

 

11 respostas em “1 fim de semana. 1 monte de presentes!

  1. Entre risos e lagrimas, tentando conter as minhas emoções eu tenho que te agradecer pelos momentos vividos na prova Eu Atleta, somos e sempre seremos atletas do bem, e bem loucos para enfrentar tudo isso né Dani? Parabéns garota, voce merece muito, e estaremos sempre que voce precisar.
    O Erivaldo é meu escudeiro de corridas, ele que me cuida para poder correr com saúde. Adoro este grande amigo e que te acompanhou, um grande amigo que guardo no meu coração, como voce e a Fernanda Balster.
    parabéns!!! sempre!!! nunca desista dos seus sonhos, estaremos sempre contigo, seja onde for, para onde voce for, é prá lá que que a gente vai estar torcendo contigo. Beijos

  2. Parabéns Dani, seu texto como sempre nos relata e nos faz imaginar toda sua sensação e emoção. Parabéns por mais uma corrida, por mais uma linha de chegada, que em frente venham muito mais delas e sempre repletas de muita alegria e de seus amigos em volta! Você merece muito!

  3. Dani, Parabéns pela sua conquista! Se tudo isso foi feito por pessoas especias.. Com certeza é porque você merece.

    Espero um dia te encontrar por aqui em alguma outra corrida. Boa sorte nos ajustes da bike e vai pra cima!

    Bjs

    Léo
    Corre Sampa

  4. Oi me chamo everson, gostei muito da sua historia e trajetória no paraciclismo, sou cadeirante lesado medular T6, acabei de adiquirir uma handbike, mais pra turismo do que atletismo, aquela handbike da WORLD BIKE TOUR de segunda mao, porque estou muito acima do peso e adoro velocidade e bicicleta, logo resolvi juntar o que gosto com o esporte, irei praticar com esta , ate ter condicoes de adquirir uma nova, gostei muito da sua experiencia, e quero talvez em breve participar de uma prova assim como voçe gostaria de lhe adicionar no facebook ,e companhar nas suas corridas, se possivel me mande um invite para everm111@hotmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s